Sunset


“Não tenho pressa

Nem me interessa 

Quanto tempo vou levar 

Não vou me permitir 

Fingir que tô legal sem tá 

Quanta social 

É tanta ambição 

Pra conseguir o que se querer 

Perder, ganhar, isso não me vale

Prefiro mil vezes 

Ir pras bandas de lá 

Fui viajar pra ver o Sol morrendo no mar” 

Mariana Aydar

Anúncios

Dos lugares: Shoreditch

Londres tem a tradição de ser um lugar inovador, onde você pode ser quem quiser sem ninguém te julgar.

Isso propicia que os mais diversos movimentos culturais tomem forma e, como em pequenos guetos, dominem bairros distintos. 

O mais famoso deles é Camden Town, que ainda tem seu charme mais pela lenda do que por atual produção cultural. A fama e os turistas “expulsaram” os artistas, pois a especulação imobiliária corre solta e não há como se manter. 

Hoje em dia, uma das regiões mais interessante, autêntica e fervilhante é o bairro de Shoreditch e a região de East London. Infelizmente a especulação está fazendo seu trabalho por lá e muitos artistas têm se mudado para bairros como Dalston, mas Shoreditch ainda resiste. Aqui se concentra os mais diversos mercados, pubs, clubes, galerias, restaurantes, etc… 

Em outras palavras, é um bairro hipster e, por mais que eu reclame tenho que admitir, eu gosto desse clima. 

Dá para gastar vários dias por aqui e recomendo começar por um domingo que é o dia mais movimentado. Logo pela manhã começa o Columbia Road Flower Market, que é uma feira livre com todos os tipos de flores que você pode imaginar e se extende por toda a rua. Não se engane ao pensar que por ser um mercado de flores num domingo de manhã será vazio, é tão cheio que é quase impossível andar. Por trás das barracas há também uma infinidade de adoráveis cafés e charmosas lojinhas de decoração que dão vontade de estourar o limite do cartão de crédito e de bagagem e comprar tudo o que ver pela frente. 

Columbia Road Flower Market

Esse era uma das horas que batia forte a vontade de morar em Londres. Ver a quantidade de pessoas que saíam com os braços carregados de flores e mudas fazia meu coração doer um pouquinho por não poder fazer o mesmo. Sem falar, é claro, dos músicos de rua que ocupam cada espaço vago e me faziam me apaixonar por todos eles sem distinção.  

Depois do Columbia Road pôde-se ir à Brick Lane que concentra a maior quantidade de restaurantes indianos que prometem “o melhor curry de Londres” e também tem o Upmarket, cheio de roupas vintage, acessórios e objetos de decoração. 

Se estiver em Londres no verão o bairro também é conhecido por suas rooftops partys. Quer algo mais hipster que curtir o verão londrino tomando um pint de Ale ou cidra em um rooftop em Shoreditch?!? 


Bom, em Shoreditch tem como ser mais hipster que isso sim… 

Aqui não há a necessidade de entrar em qualquer galeria para observar arte de qualidade, o bairro é uma galeria à céu aberto. Vá para essa região em um dia mais tranquilo, com tempo, munido de sua máquina fotográfica e se perca pelas ruas cheias de graffittis. 

Desde que cheguei aqui quis fazer esse role, mas sabe como é, a vida vai acontecendo e vamos deixando pra depois. Quando voltei para ser somente turista foi uma das primeiras coisas que fiz. 

Eu poderia dar uma relação de ruas pelas quais passei, pode-se ir para a Witby Street, Old Street, Commercial Street, etc, mas o fascinante da Street Art é que ela é temporária e se revoluciona constantemente. Não adianta muito eu te dizer vá aqui ou vá ali que verá tais e tais obras, pois nem sei mais se elas estão por lá. 

O que indico é: se perca pelo bairro. Ande sem rumo. Deixe os olhos bem abertos, pois a cada esquina há um lindo desenho novo, há palavras de ordem, há novos protestos e se sinta bem vindo em Shoreditch. 


Dos lugares: Greenwich

Londres é uma cidade imensa e tem muito o que se fazer. Quando somos turista aqui é comum nos atermos aos roteiros tradicionais, até porque isso já é suficiente para preencher vários dias e acabamos deixando de lado lugares incríveis por serem um pouco mais longe.

E Greenwich é desses lugares que podemos acabar deixando passar. A princípio, ao olhar o mapa pensa-se que é longe e/ou difícil chegar, mas isso é besteira. Com o transporte londrino funcionando com a perfeição britânica, qualquer lugar é fácil. Saindo de Westminster Station basta pegar a Jubilee Line até a estação Canary Wharf e trocar para o DLR (Docklands Light Railway, que é como um veículo leve sobre trilhos que roda na região das docas) até Cutty Sark Station. Esse percurso dura em torno de 30 minutos.  

Em Cutty Sark há o navio de mesmo nome construído em 1869 que trazia chá da Índia para a Inglaterra que foi restaurado e transformado em um museu. Mesmo se você não entrar no museu, que custa £ 13,50, já vale a visita observar toda a estrutura por fora e a parte que é visível por dentro da loja de suveniers.  

Cutty Sark

Nesse ponto há também o Greenwich Foot Path, um túnel construído em 1902 que passa por debaixo do Thames. É incrível descer e andar em uma estrutura como essa, que resiste há mais de 100 anos, ouvindo o eco dos músicos de rua se tiver essa sorte, sentar do outro lado do rio e ver o sol refletindo no Thames. 

Foot Path Greenwich

Seguindo pelo bairro, em direção ao Greenwich Park há o National Maritime Museum, que é bem legal e interativo. 

O Painted Hall é o antigo hall do hospital naval e é a maior pintura decorativa do Reino Unido. É tão lindo e cheio de detalhes que dá para gastar um tempo só observando cada um das pinturas. 

Painted Hall

Continuando a subir entramos de fato no Greenwich Park. Ele é imenso e lindo. Só por ele já valeria a visita, pois é o tipo de lugar perfeito para ficar horas caminhando ou fazer um pic nic de final de tarde, mas a grande atração é o observatório que tem no coração do parque. É lá que fica a Flamsteed House, com seu mais que especial marcador de hora. 

No topo dessa casa há uma bola vermelha presa a um mastro e que todos os dias desde que começou a funcionar em 1833 começa a subir às 12h55, chega à meio mastro às 12h58 e às 13h alcança o topo. Todo esse ritual servia para informar as horas para os marinheiros no Thames e para os moradores de Londres e hoje continua por pura tradição.

É nessa casa também que fica o marco do Meridiano de Greenwich que divid o globo em Ocidente e Oriente. Infelizmente, enquanto quase tudo em Londres é gratuito, o Observatório custa £ 9,50. Como eu já estava contando moedas para poder comer, não era um dinheiro que eu poderia gastar. Mas já entrou para a lista do que fazer na minha próxima visita à cidade. 

Atrás do Observatório fica o Planetário, que possui uma exposição gratuita enquanto a entrada de fato é paga também. Vi somente a exposição gratuita e achei incrível. São painéis interativos que responde várias perguntas interessantes sobre a vida, o universo e tudo o mais e a resposta nem se reduz à 42.  

No fim, fui para Greenwich sem muitas expectativas e fiquei extremamente surpresa. É como uma cidade do interior dentro de Londres, com casas e ruas lindas, diversas opções culturais, charmosos pubs e restaurantes e um parque lindo que proporciona uma vista linda dessa surpreendente cidade que é Londres…